Emissão de gases do efeito estufa na CSP – CSP

Emissão de gases do efeito estufa na CSP

A CSP adota, desde a fase inicial de construção, soluções para reduzir os impactos nas mudanças climáticas, com foco em instalar e manter as melhores tecnologias disponíveis para redução das emissões de gases do efeito estufa (CO2). Entre essas tecnologias, podemos destacar:

Geração interna de energia elétrica

A CSP é autossuficiente em produção e consumo de energia elétrica, por meio da sua termelétrica e da turbina de pressão de topo no Alto-Forno, que juntas têm capacidade de geração de 218 MW de energia elétrica. Essa geração se dá graças ao aproveitamento dos gases oriundos do próprio processo siderúrgico.


Reciclagem de resíduos

A CSP tem soluções únicas no Brasil para o tratamento de coprodutos, como o BSSF – Baosteel’s Slag Short Flow, que granula a escória de Aciaria e abre novas aplicações para o material, e a mixing plant, que recicla resíduos na Sinterização. O aumento de reciclagem de resíduos também contribui para a redução das emissões de CO2.

Além dessas tecnologias, ações constantes – como a busca por eficiência energética na operação, o consumo de sucatas externas e o reaproveitamento dos gases siderúrgicos gerados nos processos – contribuem para redução nos níveis de emissão de CO2.

Anualmente, a CSP calcula suas emissões com base em balanço de massa e fatores de emissões internacionais. Em 2021, a emissão total específica da CSP atingiu o valor de 1,79 tCO2/tab. Ou seja, para cada tonelada de aço bruto gerada, foram emitidos 1,79 toneladas de CO2 em seus processos. Esse valor é menor que as médias do setor da siderurgia nacional (1,9 tCO2/tab) e da siderurgia mundial (1,83 tCO2/tab) para plantas integradas.